terça-feira, 14 de abril de 2009

Crônicas da Era Hiboriana - Prólogo (conto)

Há milênios, quando os homens ainda adoravam o deus Júpiter e todo o panteão que outrora fora dos povos gregos, Roma era o centro do mundo!
Homens valorosos lutavam na arena do Coliseu diante da turba que os assistia, tomada pelo furor da batalha dos gladiadores que enfrentavam bestas de regiões distantes e outros guerreiros de grande habilidade.
As poderosas Legiões viajavam através das fronteiras do império de César, expandindo e afirmando seu domínio. Homens dispostos a dar a vida pela honra romana, ou mercenários adquirindo seu ganha pão através de uma vida de lutas sangrentas.
As Vestais, sacerdotisas que guardavam com sua pureza os segredos, costumes e crenças dos romanos dentro dos templos dedicados a deusa do fogo, Vesta.
Assim era Roma, a cidade-império! Existiam homens livres fazendo comércio entre suas ruas estreitas, nobres em orgias palacianas, políticos envolvidos até o pescoço em intrigas e camponeses trabalhando arduamente como força motriz para sustentar o vasto domínio romano.
Mas não será em nenhum assentamento militar, palácio nobre ou edifícação do prestigiado senado onde nossa história terá início. Mas numa simples taverna daquele tempo. Durante o primeiro encontro, de muitos, entre um grupo de aventureiros e o sábio chamado Alcion dos Tomos Velados. Naquele dia esquecido do tempo, os aventureiros reuniram-se ao velho que os aguardava.
Seu semblante era calmo, seus trajes brancos e leves. Coçou a barba meticulosamente. O aro prateado que adornava sua testa cheia de rugas brilhou com a claridade daquele dia morno. Os poucos cabelos grisalhos que sobreviveram à calvície apontavam a experiência e conhecimento reunidos através dos anos.
"Acredito que sejam vocês os jovens que estavam a minha procura... Bom, podem notar que eu não estou surpreso, muitos me procuram para ouvir minhas histórias e eu lhes contarei com prazer, esmero e honestidade".
O grupo se entreolhou em silêncio, todos estavam atentos às palavras que Alcion proferia com sua voz seca, ritmada e dotada de energia, sobre as lendas há muito esquecidas narradas nas perdidas Crônicas da Nemédia.
"Pois saibam, que entre os anos em que os mares afundaram a Atlântida e os anos em que surgiram os Filhos de Aryas, houve uma era jamais sonhada!" - Seus olhos ficaram cerrados e suas mãos gesticulavam como se estivessem polvilhando areia ao vento.
"Reinos de esplendor se espalharam pelo mundo como estrelas no céu: Nemédia, Ophir, Britúnia, Hiperbórea. Zamora, com suas mulheres de cabelos negros e suas torres assombradas por aranhas. Zíngara e seu cavaleirismo. Koth, que fazia fronteira com as terras pastoris de Shem. Stygia e suas tumbas guardadas pelas trevas, e a Hirkânia, onde os cavaleiros vestiam aço, seda e ouro. No entanto, o reino mais orgulhoso do mundo era a Aquilônia, que imperava suprema nas oníricas terras do ocidente". - O velho parou um instante para tomar fôlego, como se tivesse, num breve instante, sido transportado para aqueles dias antigos. Acalmou-se e ofereceu um sorriso para sua audiência, jovens ávidos para saber sobre o que tinha para lhes contar.
"E este sou eu, seu cronista, que lhes falarei sobre aventuras de outrora".
"Permitam-me contar para vocês como foi aquela era de grandes aventuras..."
-BLODIA
(apresentando livremente às "Crônicas da Nemédia", de Robert Ervin Howard)


Fonte da imagem: Dark Horse